Vasco: dinheiro da venda de Paulinho já tem destino

 Terça-feira, dia 24 de abril. Pressionado pelos pedidos de transparência da oposição, o presidente Alexandre Campello assume o microfone na reunião do Conselho Deliberativo do Vasco e expõe a difícil situação financeira do clube. No dia seguinte, a diretoria acerta a venda de Paulinho para o Bayer Leverkusen por € 20 milhões (aproximadamente R$ 85 milhões). Entre o sonho de construir um legado com a venda milionária, a maior da história do clube, e a realidade de percentuais, dívidas e compromissos assumidos, o Vasco ficará com a segunda opção. É o segundo maior negócio da história do futebol carioca, atrás apenas de Vinícius Júnior (veja quadro).

Desses R$ 85 milhões, 70% cabem ao clube, cerca de R$ 59,5 milhões, sem levar em consideração os impostos. Os outros 30% dos direitos do atacante estão divididos igualmente entre o próprio jogador e Carlos Leite, seu representante.

A primeira dívida a a ser paga é exatamente a que o Vasco tem com Leite. Na reunião do Conselho Deliberativo, Campello explicou que pegou R$ 10 milhões emprestados com o empresário para o pagamento de dívidas imediatas, o que inclui salários de funcionários e custos de viagens do time para a Libertadores. No contrato do empréstimo, ficou acertado que a dívida deveria ser quitada assim que Paulinho fosse negociado.

Sobram então R$ 49,5 milhões, parte deles destinada a outra necessidade imediata: o pagamento de salários de funcionários e departamento de futebol. O mês de março foi pago nesta quarta-feira, já com o dinheiro da venda de Paulinho. A folha salarial do elenco profissional é de R$ 5 milhões.

Outra dívida relevante que o Vasco tem é referente a direitos de imagem dos jogadores. Somente com o goleiro Martín Silva, o passivo é de R$ 1,2 milhão. Wagner é outro que tem dívida milionária, com dez meses atrasados. Andrés Ríos, cujo contrato acaba em junho, interessa ao clube, mas só deverá conversar a respeito de uma permanência se a diretoria pagar os atrasados fora da carteira. Funcionários de outros setores que recebem como pessoa jurídica também têm dinheiro a receber. O montante é de cerca de R$ 5 milhões.

Batalha com o Racing

Outra necessidade no horizonte do Vasco é a regularização do pagamento do passivo fiscal, necessário para a obtenção das certidões negativas de débito. Somente com elas o clube poderá acertar um novo contrato de patrocínio com a Caixa ou com qualquer outra empresa estatal. As CNDs também são exigência para o clube apresentar projetos que possam ser agraciados na Lei de Incentivo ao Esporte. A dívida com o Profut é de aproximadamente R$ 12 milhões.

No mundo ideal, em um clube em dia com suas obrigações, a injeção de R$ 59,5 milhões serviria para o Vasco contratar reforços de peso, incluindo um substituto para o próprio Paulinho, além de investir em infraestrutura, como a aquisição de um centro de treinamento próprio. Não é o caso. Nesta quinta-feira, às 21h30m, com a certeza de que não contará mais com seu principal jogador, a equipe enfrentará o Racing, da Argentina, pela Libertadores, que o goleou por 4 a 0 há uma semana. O time precisa vencer em casa para seguir com chances de ir para as oitavas de final.

Mais Caros

1º – Neymar: € 88 milhões

Entre Santos e Barcelona, em 2011.

2º – Vinícius Júnior: € 45 milhões

Entre Flamengo e Real Madrid, em 2017.

3º – Lucas: € 40 milhões

Entre São Paulo e PSG, em 2012.

4º – Oscar: € 32 milhões

Entre Internacional e Chelsea, em 2012.

5º- Gabriel Jesus: € 32 milhões

Entre Palmeiras e Manchester City, em 2016.

6º – Denilson: € 31,5 milhões

Entre São Paulo e Bétis (ESP), em 1997.

7º – Arthur: € 30 milhões

Entre Grêmio e Barcelona, em 2018.

8º – Gabigol: € 27 milhões

Entre Santos e Internazionale, em 2016.

13º – Paulinho: € 20 milhões

Entre Vasco e Bayer Leverkusen, em 2018.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/esportes/boa-parte-de-dinheiro-de-paulinho-ja-tem-destino-22628545#ixzz5DlxTfw4a
stest

Recomendadas para Você

%d blogueiros gostam disto: