Seis pessoas morrem após queda de hidroavião na Austrália

Seis pessoas morreram, neste domingo, após a queda de um hidroavião (em foto de 2016) no rio Hawkesbury, cerca de 50 quilômetros ao norte de Sydney. As vítimas participavam de um voo de “sightseen” com vinho e jantar antes das comemorações para a chegada de 2018 na Austrália.

A polícia informou que não sabe as causas do acidente e nem a identidade dos cinco passageiros, mas que está colhendo o depoimento de testemunhas que estavam em barcos no momento da queda do hidroavião, num dos dias mais cheios de embarcações no local. A sexta vítima do acidente é o piloto.

Segundo a mídia local, quatro das vítimas eram ingleses, porém a informação não foi confirmada pela polícia. Em Londres, o Ministério das Relações Exteriores disse que seus funcionários estavam em contato com autoridades locais em Sydney.

“Estamos prontos para prestar assistência consular”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores britânico.

O hidroavião era operado pela Sydney Seaplanes, uma importante empresa de turismo da capital. Várias celebridades usaram os serviços da empresa visitando Sydney, incluindo os astros do pop Ed Sheeran e Sam Smith, o guru da tecnologia Bill Gates, o comediante Jerry Seinfeld e a irmã caçula de Kate Middleton, Pippa Middleton.

Ainda de acordo com a polícia, o hidroavião estava voltando com o grupo de cinco pessoas de um restaurante à beira mar ao norte da sede da Sydney Seaplanes, em Rose Bay, ao leste da capital quando caiu na água e afundou imediatamente.

“Falamos com várias testemunhas. As investigações ainda estão muito recentes então não sabemos porque o avião caiu”, disse para repórteres o superintendente interino da polícia Michael Gorman, acrescentando que a polícia forense vai examinar o avião para avaliar quando ele poderá ser erguido do fundo do mar.

Gorman disse ainda que a polícia estava em contato com a Sydney Seaplanes para identificar as vítimas e que as famílias seriam contactadas antes da divulgação dos nomes.

A Sydney Seaplanes opera voos desde 1938, originalmente voando da Austrália até a Grã-Bretanha, uma viagem que exigiu 30 paradas para abastecimento e que ficou conhecida como a rota “Canguru”.