Repórteres da REDE GNI descobrem que farmácias estão cometendo fraude

Uma descoberta absurda. De modo meramente casual, dois repórteres da REDE GNI descobriram um esquema para fraudar o programa Farmácia Popular do Governo Federal. Algumas farmácias de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, que pertencem a uma grande rede de farmácias local, estão operando neste esquema de fraude.

Os medicamentos que estão na lista do programa recebem custeio de 90% do governo federal, e as prefeituras municipais custeiam os demais 10% do valor final dos medicamentos. Entre os medicamentos mais procurados pela população estão os remédios, Atenolol e Losartana Potássica, ambos para o tratamento da Pressão Arterial, que recebem de graça os medicamentos.

COMO FUNCIONA O ESQUEMA?

É bastante criminoso, ousado, mas de  uma simplicidade absurda. Manhã do dia 07 de Maio, sábado.

O medicamento Losartana Potássica de 50mg com 30 comprimidos, com o preço normal custa o valor de R$ 9,60 porém na farmácia popular ele é tabelado em R$ 40,44 (Ver Cupom Fiscal abaixo). Assim, quando as farmácias vão cobrar da prefeitura local e do governo federal os subsídios para a entrega gratuita ao contribuinte, elas cobram das autoridades pelo valor extremamente onerado. As farmácias faturam ilegalmente R$ 36,39 por cada caixa de Losartana Potássica, já que o subsídio é de 90%. Os repórteres receberam 2 caixas de Losartana, isso significa que o lucro ilegal da farmácia em uma única operação foi de R$ 72,78.

A fraude se torna mais absurda ainda, quando compreendemos que ao vender o medicamento por R$ 9,60, valor normal de tabela nesta rede, a farmácia já está recebendo o seu alto lucro. É vergonhoso.

Se imaginarmos que pelo menos 100 pacientes buscam esse mesmo medicamento, somente nesta rede de farmácias, por consumidor, estaremos falando de um desvio de recursos e cobrança ilegal no valor de R$ 218 mil reais mensais, somente com o Losartana.

100 pacientes é a média dos que buscam este medicamento, somente nesta rede farmacêutica, diariamente.

É um roubo milionário. Anualmente é um desvio de R$ 2.620.000,00 (Dois milhões, seiscentos e vinte mil reais). Repetimos, somente levando em consideração o medicamento Losartana Potássica.

O nome da Rede farmacêutica e os dados do balconista, que constam no cupom fiscal, foram preservados até que a presente reportagem seja enviada ao Ministério Público Estadual e Federal, o que ocorrerá na próxima segunda feira (09)
O nome da Rede farmacêutica e os dados do balconista, que constam no cupom fiscal, foram preservados até que a presente reportagem seja enviada ao Ministério Público Estadual e Federal, o que ocorrerá na próxima segunda feira (09)

COMO O ESQUEMA FOI DESCOBERTO?

Os repórteres de posse de uma receita médica, foram buscar 2 caixas de Losartana pela Farmácia Popular. Quando o paciente recebe o medicamento, ele é obrigado a assinar o cupom fiscal, que será o documento apresentado e enviado pela farmácia ao governo para receberem o reembolso do subsídio.

Neste momento um dos nossos repórteres pediu uma caixa a mais de Losartana, e pagaria a caixa como uma compra normal. E solicitou que fosse emitida um novo cupom fiscal. Chegando na REDAÇÃO DA REDE GNI, comparando os cupons, percebeu os valores diferentes no mesmo medicamento e com cupons diferentes.

O repórter retornou a filial onde comprou o medicamento e questionou a diferença de valores apesar de serem o mesmo medicamento, com as mesmas especificações e adquiridos no mesmo momento. O balconista respondeu ironicamente:

– “Não tem nada de errado, para o consumidor é um preço, para o governo é outro“.

Brasil, o país onde se rouba até nos benefícios sociais.

Denúncia da REDE GNI

Essa foi uma das caixas recebidas
Essa foi uma das caixas recebidas