Que lógica existe nas pesquisas eleitorais?

Para não dizer que existem manipulações eleitorais ou mentiras intencionais, pois ambas carecem de provas – e eu não as tenho – vamos recorrer aos fatos pois contra eles não há argumentos e vamos supor que sejam ‘apenas’ erros pontuais dos institutos de pesquisas:

1 – Em 2016 o Ibope apontou um triplo empate com 26% dos votos válidos nos candidatos a prefeito de São Paulo. No final, Celso Russomanno (PRB) ficou com 21,6%; Fernando Haddad (PT), com 28,98%, e José Serra (PSDB), com 30,75% dos válidos. Quem venceu? João Dória (PSDB) que estava em 4º lugar segundo a pesquisa do Ibope;

2 –  Em Manaus, o Ibope apontou um empate entre Arthur Virgílio (34%), do PSDB, e Vanessa Grazziotin (32%), do PCdoB. A margem de erro era de três pontos para mais ou para menos. O Ibope não acertou nem o terceiro colocado. A comunista teve nove pontos a menos do mínimo que lhe atribuía o instituto. Virgílio teve 3,55 a mais do que o máximo. Havia uma diferença de 20,6 pontos onde o Ibope dizia haver… dois! O erro beneficiava, objetivamente, a candidata apoiada pelo Planalto e pelo petismo. Virgilio venceu com 40,55% dos votos válidos e Grazziotin teve apenas 19,95% dos votos, bem distante dos 32% do Ibope;

3 – A maior lambança foi na Bahia, em Salvador. A lambança em Salvador foi gigantesca. Segundo o Ibope, o petista Nelson Pelegrino teria 43% das intenções de voto — podendo, então, variar de 40% a 46%, segundo a margem de erro. Ele obteve 39,73% dos votos válidos — abaixo da margem mínima. ACM Neto, do DEM, aparecia no Ibope com 36% — e, pois, poderia ter entre 33% e 39%, ACM foi eleito com 40,17%, mais de um ponto acima da margem máxima de diferença. A influência do Ibope poderia ter sido direta em Salvador;

4 – Em Porto Alegre a candidata apoiada pelo Planalto ‘estaria eleita’ com 28% das intenções de votos, mas Manuela Dávila (PCdoB) ficou em segundo lugar com míseros 17,76% dos votos válidos. Quem venceu foi José Fortunatti (PDT) com espantosos 60%.

O que podemos concluir? Concluímos que não podemos confiar nos institutos de pesquisas eleitorais, pois eles erram mais do que acertam, e em geral erram a favor do PT e seus partidos aliados (não estou acusando ninguém) apenas concluindo a lógica.

Como eu posso crer então, na ultima pesquisa do Datafolha? Olha a manchete:

Pesquisa Datafolha divulgada na madrugada desta quarta-feira (22) aponta que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) perderia em um eventual segundo turno para Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT).

Sem levar em consideração cenários e coeficientes eleitorais que são complicadíssimos de compreender e fáceis de manipular aos leigos, vamos na questão da lógicaComo pode alguém vencer a TODOS os concorrentes no primeiro turno e perder para TODOS, separadamente, num eventual segundo turno?

Eu falo isso a mais de 1 ano: A internet é um campo que não pode ser manipulado (influenciado) e TODAS as pesquisas informais garantem ampla vantagem de Jair Messias Bolsonaro (PSL) para vencer até em primeiro turno…

Basta conversar com os seus seguidores e o nome BOLSONARO é ampla maioria esmagadora nas diversas opiniões internáuticas.

Então eu te pergunto: Que lógica existe nas pesquisas eleitorais? Eu confio mais na existência do Papai Noel, da Cuca e do Saci Pererê, do que nessas pesquisas.

Léo Vilhena
Comentarista Político

Recomendadas para Você

%d blogueiros gostam disto: