Pezão recebeu quase R$ 5 milhões em propinas

O funcionalismo público carioca passando aperto e necessidades, e o governador ficando milionário através de propinas. A afirmação consta em delação premiada.

Um funcionário do doleiro Álvaro José Novis, apontado como operador do esquema de propina do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou ter pago R$ 4,8 milhões em propina para Luiz Fernando Pezão logo depois que ele assumiu o governo do estado. A informação consta em novos trechos da deleção premiada aos quais a TV Globo teve acesso.

O nome do governador Pezão aparece na delação de Edimar Moreira Dantas. Funcionário de Novis, ele gerenciava uma conta criada exclusivamente para o pagamento de propinas.

Edimar Dantas contou aos procuradores que a fonte do dinheiro era a Fetranspor, a Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do estado do Rio de Janeiro.

De acordo com o delator, o responsável por administrar o caixa dois da Fetranspor era o conselheiro da entidade José Carlos Lavouras, que repassava, normalmente, uma vez por mês, a programação de pagamentos a serem feitos.

Nas planilhas entregues aos procuradores, um apelido se destaca: “Pé Grande”. Edimar Dantas contou que o dinheiro era entregue a um intermediário. Ele disse que em relação aos pagamentos efetuados a Pezão, houve a determinação de José Carlos Lavouras para a entrega para uma pessoa de nome Luís. Diz ainda que soube que os valores seriam destinados a Pezão por conta do apelido Pé Grande.

Segundo as investigações, o intermediário seria Luís Carlos Vidal Barroso, assessor do governador ainda contratado do governo do estado.

Nas planilhas do doleiro aparecem cinco pagamentos a Pé Grande, num total de R$ 4,8 milhões. Os pagamentos foram feitos de 22 de julho de 2014 a 8 de maio de 2015.

Nessas datas, Luiz Fernando Pezão já era governador do Rio de Janeiro. Em abril de 2014, ele assumiu o cargo com a renúncia de Sérgio Cabral, e em 2015 tomou posse como governador eleito.

Edimar Dantas deu detalhes aos procuradores de como os pagamentos eram feitos. Ele disse que em relação aos pagamentos efetuados a Luizinho/Pezão, os valores vinham da transportadora, e ele separava um dinheiro e entregava para um funcionário levar.

O delator contou que os pagamentos foram feitos em vários endereços diferentes e que nas vezes em que os valores foram entregues no Centro, os pagamentos foram na rua.

O governador Luiz Fernando Pezão disse que não conhece e nunca esteve com Edimar Moreira Dantas e reafirma que jamais tratou de pagamento ou recebimento de recursos ilícitos.

A Fetranspor disse desconhece o teor de uma delação que se refere a fatos supostamente ocorridos antes da posse da atual administração e afirmou ainda que permanece à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos.

As defesas de Állvaro José Novis, José Carlos Lavouras e Luís Carlos Vidal Barroso não foram encontradas para comentar as denúncias.

Sugeridas para você

%d blogueiros gostam disto: