Operação Lei Seca em Campo Grande tem o objetivo de salvar vidas

REPORTAGEM ESPECIAL | À convite do comandante geral do Batalhão de Trânsito de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Tenente-Coronel José Amorim Longatto, a REDE GNI acompanhou de perto nessa madrugada (11) os ‘bastidores’ da Operação Lei Seca na Capital do Estado e pôde conferir de perto o empenho dos policiais militares que se esforçam para acima de tudo, prevenir acidentes, prender foragidos da justiça, flagrar motoristas alcoolizados ao volante e no fim de tudo: fazem a prevenção para salvar vidas.

À opinião pública de um modo geral tem que ter a consciência que esses homens (policiais militares) são soldados à serviço da sociedade e estão buscando com suas ações, pautadas rigorosamente dentro da Lei, prevenir que mais famílias lamentem e chorem a perda de seus familiares, expulsando das ruas motoristas infratores.

ALTOS DA AFONSO PENA

A Operação teve início no pátio do Batalhão de Trânsito por volta das 22h30 com a divisão de tarefas organizada pessoalmente pelo comandante Longatto que orientou todos os militares que participariam daquela operação: Batalhão de Trânsito, Batalhão Ambiental, Guarda Municipal, Agetran e Prefeitura.

Em comboio, os militares se dirigiram aos altos da avenida Afonso Pena, parte nobre da cidade, onde diversos restaurantes e bares estavam lotados de jovens e onde havia muita consumação de bebidas alcoólicas. Assim que chegaram, e antes mesmo de ser preparada a blitz, os primeiros militares que estavam de moto, flagraram três condutores sem habilitação e de posse de bebida alcoólicas. Foi o ‘cartão de visitas’ dos militares.

No sentido Afonso Pena-Centro, a barreira logo foi montada tendo na linha de frente o corajoso comandante Longatto, que apesar de ser um Coronel da Polícia Militar, não se escondeu atrás de sua patente de Oficial Superior, e com educação e respeito aos cidadãos de bem, abordava os motoristas que transitavam pelo local. Todos os carros e motos eram abordados e a conduta dos militares dependia do estado de espírito do ‘freguês’.

Em um determinado momento da operação, ocorreu um pequeno clima de tensão: um rapaz de aproximadamente 21 anos foi abordado em visível estado de embriaguez ao volante, e foi convidado a sair do veículo e a fazer o teste do bafômetro. Após inúmeras tentativas de realizar o teste, e não conseguindo, o Coronel explicou ao cidadão que a recusa obrigaria aos militares encaminharem o caso para a delegacia de plantão (Depac Centro), e para tentar livrar-se do flagrante, o jovem ‘caiu na besteira’ de mentir para os policiais afirmando que não era ele o condutor do veículo. Repreendido duramente pelo Coronel que havia flagrado o rapaz, ele voltou atrás em sua afirmação, fez o teste após 12 tentativas e foi devidamente autuado.

Nas quatro horas de operação, nenhum outro grave incidente foi registrado, mas os números são bastantes assustadores e o índice de motoristas infratores flagrados é considerado alarmante:

125 Autos de Infração
14 Motos apreendidas
04 Carros apreendidos
02 Prisões em flagrante
02 Infrações Administrativas
14 Motoristas não habilitados
05 Motoristas alcoolizados detidos
06  Ocorrências policiais
280 Automóveis flagrados no Radar móvel com fotos

* Números da PM sem contar a Guarda Municipal
* Números atualizados às 12h03

BMW E EX-PREFEITO

Por volta de 01h30 da madrugada, um carro de alto padrão foi abordado. Era uma BMW modelo i8z4 na cor preta de placas NRJ 2362, e após checagem no sistema do Detran, verificou-se que ela estava com o licenciamento vencido desde 2015.

Á bordo do luxuoso carro avaliado em mais de R$ 150 mil reais estava o ex-prefeito de Chapadão do Sul Luiz Felipe Barreto de Magalhães (PT do B) que ainda tentou argumentar com os policiais militares, mas o veículo foi apreendido e encaminhado ao pátio do Detran. Na direção estava a esposa do político e ambos foram muito respeitosos com os militares, demonstrando claramente o quanto aquela operação era legal e que ninguém está acima da lei.

O clima entre os militares era de total serenidade e de muito empenho. Nas quatro horas de operação nenhum deles reclamou que estavam à serviço da sociedade, pelo contrário, os militares estavam animados para ‘cruzarem’ a madrugada em outro ponto da cidade. O local escolhido foi o entorno da UFMS.

Léo Vilhena
Jornalista e Editor da REDE GNI

Agradecimentos: Ao Tenente-Coronel José Amorim Longatto, Tenente Vargas, à Guarda Municipal, Agetran e aos militares do Batalhão de Trânsito. Fotos: Rede GNI.

Sugeridas para você

%d blogueiros gostam disto: