O Jornalismo e o Jornalista

Jornalista é o profissional formado em Jornalismo. É a pessoa responsável pela apuração, investigação e apresentação de notícias, reportagens, entrevistas ou distribuição de notícias ou outra informação de interesse coletivo. O trabalho do jornalista é chamado Jornalismo.

O Jornalista que exerce à sua função no Jornalismo, tem o dever de contar as histórias sejam elas boas ou ruins e um bom jornalista é aquele que não inventa e não cria barrigas. Tecnicamente, a barriga (termo jornalístico) ocorre quando o jornalista divulga uma informação equivocada, inventa ou aumenta (ou diminuí) a notícia como ela é.

O papel de um bom jornalista é contar a notícia como ela é, imparcial e honesta, verdadeira como ele ocorre, quem analisa as informações são os analistas, comentaristas ou cientistas que podem ser sociais ou políticos, sejam eles jornalistas ou não.

Esse é o papel (trabalho ou função) do jornalista: formar opiniões, conscientizar a população, oferecer à sociedade conhecimento e informações úteis em benefício das pessoas, além de contribuir para o crescimento individual, profissional e social do cidadão.

Não é fácil informar e a sociedade ‘esquece’ que por trás de todo jornalista existe um pai e uma mãe, um ser-humano que se alegra ou sofre com as notícias que tem por obrigação divulgar. Nesse sentido, a profissão de jornalista é uma das mais difíceis do mundo, pois ela trabalha com muita emoção e ser um ‘poço’ de emoções é uma carga muito difícil de carregar nos ombros.

Eu me recordo do choro coletivo quando recebemos a notícia da AFP e as fotos de uma criança imigrante morta, afogada na beira da praia de Borum, na Turquia, para onde a maré levou seu frágil corpo: Esse foi um dos dias mais devastadores em 20 anos de jornalismo. Eu olhava para o lado e só via lágrimas na redação do Jornal.

O papel de levar a informação até o leitor(a) pode parecer uma tarefa simples e comum, cotidiana, mas ela não tem nada de simples ou comum, é uma avalanche de emoções que nos consomem todos os dias, a cada minuto, pois a notícia não tem hora e lugar para acontecer e ela pode contar boas ou tristes histórias.

Eu me recordo, em especial, de uma noite de sábado em 2014, quando eu e minha esposa completávamos aniversário de casamento, era por volta das 20 horas e estávamos tomando banho e vestindo roupas novas para sairmos para jantar fora e celebrarmos nossa união, já estava reservada uma mesa num restaurante e uma suíte de um famoso hotel em Campo Grande, Mato Grosso do Sul… e de repente chega a informação: havia desaparecido dos radares um avião da Malaysia Airlines MH370 com 227 passageiros a bordo e 12 tripulantes e como eu era, naquela época, editor de noticias internacionais da Rede GNI, fui obrigado a acompanhar o desenrolar daquela notícia bombástica e fiquei 3 dias sem dormir (tirava uns cochilos) acompanhando aquela cobertura internacional… Tivemos em 3 dias 2 milhões de acessos…

Esse é o papel e a função de um jornalista. Eu tenho 47 anos, já fui Militar e Policial, sou pastor por vocação, mas foi no Jornalismo que eu me encontrei, eu amo e respiro 24 horas notícias, amo contar as histórias e informar com muita seriedade e credibilidade (jamais criei barrigas) e não me vejo eu outro emprego ou função. No jornalismo encontrei a felicidade e a vida profissional que eu tanto almejava.

E tudo começou numa tarde de Terça-Feira em 2004, quando o meu antigo Pastor Carlos Roberto disse assim para mim, num papo descontraído em seu gabinete pastoral: Léo, eu tenho que escrever uma matéria para o Jornal UC (Unidade Cristã do Rio de Janeiro) mas eu estou sem tempo, já que você gosta de escrever, faz essa matéria para mim e assina esse trabalho!

Foi assim que tudo começou e essa paixão invadiu a minha alma. Estudei e me formei na ESTEP do Rio de Janeiro e consegui meu registro de Jornalista junto ao Ministério do Emprego e Trabalho quando fui contratado pelo Diário Curitibano de Curitiba, meu primeiro emprego como jornalista. E minha primeira reportagem? Em 3 de Novembro de 2008 a pequena Raquel Onofre de 9 anos foi encontrada morta dentro de uma mala, na Rodoviária de Curitiba. Ela foi sequestrada e estuprada, e mantida em cárcere privado por 5 dias. Até hoje (2018) o caso segue sem um suspeito e a polícia do Paraná nem faz ideia do que possa ter acontecido.

Eu estava no local fazendo essa triste cobertura

Existem 7 filmes, que para mim, retratam muito bem o universo do Jornalismo: A Caçada, A vida de David Gale, O Zodíaco, The Post – A Guerra Secreta, Todos os Homens do Presidente, Faces da Verdade e Repórteres de Guerra. Na minha singela e humilde opinião, são filmes obrigatórios para todos aspirantes em Jornalismo.

Repórteres de Guerra (2010)

Recebi em 2016 o Vladimir Herzog da União Brasileira de Profissionais de Imprensa pela cobertura jornalística do caos da Política em Campo Grande, Mato Grosso do Sul e um prêmio da Kodak pela fotografia que fiz em Curitiba. Já passei pelas editorias de Esporte, Internacionais e Brasil, e hoje sou Editor de Política da Rede CBN GNI e comentarista político.

Foi assim que tudo começou… Num papo… Eu descobri que as maiores oportunidades da sua vida, podem florescer, num papo descontraído com seus amigos… Notícias e idéias acontecem a qualquer momento…

Léo Vilhena
Jornalista

Recomendadas para Você

%d blogueiros gostam disto: