Filhas de casal executado no interior da BA estão desaparecidas

Duas crianças, de 1 e 5 anos de idade, que são filhas do casal executado a tiros no município de Pedrão, a cerca de 130 km de Salvador, desapareceram e estão sendo procuradas pela polícia e pela família. A informação foi passada ao G1 pela Polícia Civil, nesta terça-feira (2).

Ainda não há informações sobre como as crianças desapareceram. Familiares relataram à polícia que as meninas estavam com os pais, Juliana Conceição do Nascimento e Robinson Luis Gomes, no carro no momento do crime e disseram não saber sobre o paradeiro das crianças. O G1 não conseguiu contato com os parentes das meninas nesta terça-feira.

A Polícia Civil e a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) dizem, no entanto, que ainda não há nenhuma confirmação de que as crianças estavam no mesmo veículo que os pais. Também não há informações sobre a autoria e motivação do assassinato dos pais das duas meninas.

Crime

Além de Juliana e Robinson, um homem identificado como Danilo Luis Araújo Souza também foi assassinado. As vítimas foram achadas mortas na zona rural de Pedrão, no último final de semana.

Danilo e Juliana foram encontrados com marcas de tiros, no sábado (29), dentro de um carro que havia sido alugado no dia anterior na cidade de Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo Baiano.

Já Robinson Luis Gomes, que é companheiro de Juliana, foi achado morto, também com marcas de tiros, mas fora do veículo, na mesma localidade. Robinson é suspeito de tráfico de drogas, segundo a polícia.

A Polícia Civil não informou a relação de Danilo com o casal. A autoria e motivação do crime ainda são investigadas. O responsável pelo caso é o delegado de Pedrão, Henrique Moraes, que conta com apoio da 2ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin/ Alagoinhas).

Além dos corpos, foram localizados dentro do carro três armas. A polícia não soube informar se Robinson já havia sido preso por tráfico, mas informou que ele atuava em um grupo criminoso na região de Valéria, em Salvador. Ele seria o alvo do ataque. Ainda segundo a polícia, Juliana também tinha envolvimento com a quadrilha.