Eu erro mas corrijo os meus erros

O que ‘gosto’ de ver nos falsos moralistas, é a cara de pau que eles tem em não admitir as suas fraquezas, e tentam se manter de nariz em pé até em seus fracassos mais retumbantes, mas quando tudo dá errado e não tem como esconder que ‘deu ruim’, é hora de chorar e de lamentar. A vergonha torna o constrangimento inevitável.

Eu, particularmente, erro bastante mas corrijo e reconheço os meus erros sem remorso algum de admitir que estou errado (quando estou), eu reconheço as minhas limitações e as minhas fraquezas, e por vezes isso é erroneamente encarado como uma fragilidade e uma instabilidade, MAS NÃO É NEM UMA COISA E NEM OUTRA, admitir os meus erros é assumir as minhas limitações e imperfeições e isso não é sinal de fraqueza, mas de força e de uma verdadeira consciência em aceitar os meus limites.

Ser humilde vai muito além das palavras e das posturas ‘eretas’ e vai muito além de achar que somos melhores que os outros. Temos que reconhecer as nossas limitações. Uma verdade insofismável é que não existe homem (raça) bom que não tenha pecado em sua natureza. Todos pecam e são pecadores por natureza.

Se o seu erro e pecado é diferente do meu, não te faz melhor do que eu, mais ou menos pecador. Somos pecadores que temos erros diferentes. Só isso.

Assuma suas limitações com humildade.

Léo Vilhena

 

Sugeridas para você

%d blogueiros gostam disto: